Postagens populares

Casa Mobiliada #cover Fernando Amarilha




Tropecei na sua beleza
Na piadinha tive a certeza
E fui naquela sede ao pote
Eu investi pesado e dei sorte



Agora, para tudo pra me ouvir
Tenho duas notícias, uma boa, outra ruim
Qual você quer primeiro?
A que a gente se casa no susto e partiu no cruzeiro
Ou sumir por um tempo
E pegar uma praia de boa no meio de janeiro

Ou casa mobiliada
A gente financia e paga em duzentas parcelas
Junta dinheiro, troca o carro
Evita de jantar fora e cofrinho garante as férias
E daqui alguns anos se quiser ter filhos a gente conversa
Imagina na escola, o menino chutando bola
E ela brincando de boneca




Uma publicação compartilhada por Fernando Amarilha (@fernandoamarilha) em


Práticas de manejo sustentável da Fibria contribuem para conservação da biodiversidade em Três Lagoas




  Monitoramentos realizados na região leste de MS identificaram 473 espécies de plantas e 727 de animais

  Três Lagoas, 16 de maio de 2018 - A Fibria, empresa brasileira e líder mundial na produção de celulose de eucalipto a partir de florestas plantadas, desenvolve um trabalho de monitoramento da biodiversidade em sua base florestal em Três Lagoas (MS), com o objetivo de avaliar as práticas sustentáveis do manejo realizado pela empresa. O registro da presença de animais convivendo de forma harmoniosa em meio às fazendas da empresa confirma o manejo sustentável e responsável praticado pela Fibria na região.

    Iniciado em 2007, o programa monitora as espécies da flora e da fauna em geral (aves, mamíferos, répteis, anfíbios e insetos). “As espécies servem como verdadeiros termômetros do ambiente e fornecem informações importantes sobre a qualidade ecológica do ecossistema. Os muitos registros de animais silvestres e de espécies raras da flora confirmam os bons resultados do manejo sustentável nas florestas da Fibria”, afirma Maria Tereza Borges, coordenadora de Meio Ambiente Industrial da Fibria.


Adicionar legenda
   “Para monitorar os animais, são utilizadas ferramentas como armadilhas fotográficas, redes de captura, pontos de escuta noturna, amostragem de pegadas por distâncias pré-determinadas, dentre outras estratégias que auxiliam na identificação do animal e confirmam a presença dele”, disse o coordenador de Meio Ambiente Florestal da Fibria, Renato Cipriano Rocha.

    Em relação à fauna, foram detectadas 98 espécies de anfíbios e répteis, entre elas o lagarto-ápodo (Bachia bresslaui), que está na lista internacional de espécies ameaçadas de extinção (IUCN).

    Entre os mamíferos, foram catalogadas 25 espécies de morcegos, entre eles o Micronycteris schmidtorum - o primeiro registro conhecido no estado -, e 52 espécies de mamíferos terrestres. Pela primeira vez foi detectado o bugio (Alouatta caraya) e outros oito animais presentes nas listas de espécies ameaçadas de extinção no Brasil e exterior. Merecem destaque nesse grupo a anta (Tapirus terrestris) e a suçuarana ou onça-parda (Puma concolor), pela grande frequência de encontros, pegadas e imagens nas armadilhas fotográficas durante os trabalhos de campo.
O monitoramento ainda resultou no avistamento de 375 espécies de aves, sete delas ameaçadas de extinção. Em 2017, foram encontradas na Fazenda Barra do Moeda, pela primeira vez, duas novas espécies de aves na região, sendo ambas migratórias: a Guaracava (Elaenia chilensis) eAndorinha (Tachycineta leucorrhoa).
Flora

     A coleta de dados sobre a vegetação local realizada em 2017 apontou a incidência de quatro novas espécies nas áreas da Fibria: o Cafezinho do Cerrado (Rapanea guianensis), o Falso Jatobá (Peltogyne confertiflora), a Peroba do Campo (Aspidosperma tomensotum) e a Araçá (Myrcia florida).




  Das 473 espécies de flora catalogadas, cinco delas estão ameaçadas de extinção segundo o Livro Vermelho da Flora publicado pelo IBAMA, dessas, três delas são classificadas como vulneráveis, sendo: Gonçalo Alves (Astronium fraxinifolium), Cedro do Brejo (Cedrela odorata) e o Ipê Felpudo (Zeyheria tuberculosa). Já a Canela Guaicá (Ocotea puberula) foi classificada como ‘quase ameaçada’ e o Mamajuda (Sloanea obtusifolia) como ‘em perigo’.

    O monitoramento da biodiversidade também registrou a presença de três espécies bastante conhecidas na região que possuem regime de proteção especial no estado do Mato Grosso do Sul: o Gonçalo Alves (Astronium fraxinifolium), a Aroeira (Myracrodruon urundeuva) e o Pequi (Caryocar Brasiliensis). Esta última é famosa por ter o seu fruto utilizado em pratos típicos da culinária sul-mato-grossense.

   Além disso, 10 espécies de árvores catalogadas nos monitoramentos são consideradas ameaçadas de extinção em nível internacional pela lista da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), sendo: Tataré (Chloroleucon tortum), Pau Marfim (Balfourodendron riedelianum), Amendoim Bravo (Pterogyne nitens), Gonçalo Alves (Astronium fraxinifolium), Garobinha (Campomanesia neriiflora), Cedro do brejo (Cedrela odorata), Baru (Dipteryx alata), Jacarandá-Do-Cerrado (Machaerium villosum), Pé de Galinha (Trichilia casaretti) e o Ipê Felpudo (Zeyheria tuberculosa).



Hospital Auxiliadora mantêm projeto de doação de cabelos para fabricação de perucas


    O Hospital Auxiliadora recebeu nessa semana, a doação de 28 cm de cabelos que serão destinados para confecção de perucas para serem entregues aos pacientes que realizam tratamento contra o câncer. A doação partiu da estagiária do curso de enfermagem da UFMS, Dieniffer Cabrelli. 

     Dieniffer conta que a doação foi uma promessa que fez há 5 anos, e no mês de abril cumpriu esse período e decidiu doar para o Hospital. “A minha sensibilização despertou de fato quanto a filha de uma amiga descobriu um câncer. A decisão obrigatória de raspar os cabelos é muito sofrida, e judia muito da autoestima das pacientes, foi pensando nisso que eu decidi cortar bem curtinho e doar”. E completou: “Para mim pode parecer pouco, são sós cabelos e cresce de novo, mas para uma paciente, receber uma dessas perucas é uma injeção de ânimo para poder continuar”, disse.

      A doação é recebida e encaminhada para a Rede Feminina de Combate ao Câncer de Três Lagoas que recebem os pacientes do Hospital, e em seguida, encaminham  para a voluntária Ângela Fernandes e com parceria do Estabelecimento Penal Feminino de Três Lagoas, 6 detentas ajudam na fabricação dessas perucas para doarem as pacientes que não tem condições de adquirir uma.
      Quem tiver a disponibilidade de fazer qualquer tipo de doação, pode ligar no telefone: (67) 3221-8730.

Assessoria HNSA



Rally dos Sertões anuncia roteiro de "volta às origens"; prova passará por quatro estados

    Goiás, Bahia, Piauí e Ceará fazem parte do trajeto, que terá 3.607 quilômetros
  
 
  Foi revelado na noite desta quinta-feira (10) no MIT Point do Shopping JK Iguatemi, em São Paulo, o roteiro da 27ª edição do Rally dos Sertões. O maior rali do país e um dos maiores do mundo começa no dia 18 de agosto em Goiânia (GO) e percorrerá mais de 3.600 quilômetros, passando por quatro estados – Goiás, Bahia, Piauí e Ceará -, para ver a bandeira quadriculada em Fortaleza (CE), no dia 26.
   O trajeto foi mostrado por Marcos Moraes, diretor-geral da Dunas Race, empresa que organiza o Sertões. “Optamos por um traçado mais técnico e difícil. Acho que iremos superar a edição do ano passado não só pelo nível das especiais, mas também pelo cansaço e determinação dos pilotos em chegar às cidades-dormitório”, ressalta Marcos, lembrando que em 2018 os deslocamentos entre os trechos estão maiores.

    O primeiro dia de prova, entre Goiânia e Formosa, em Goiás, já “presenteia” os competidores com quase 700 quilômetros entre trecho cronometrado (de 300 km) e deslocamentos. A especial mais longa é a da quinta etapa, entre Barra (BA) e São Raimundo Nonato (PI), com 400 difíceis quilômetros compostos basicamente de areia, um dia após a etapa maratona (entre Luís Eduardo Magalhães e Barra, na Bahia) na qual os competidores terão encarado 478 quilômetros sem nenhum tipo de intervenção técnica por parte de suas equipes.
   “Este rali está entre os três melhores que já fizemos, entre todas as edições do Sertões”, aponta Du Sachs, diretor técnico da prova e responsável pelo levantamento do roteiro.  “Todos os dias os pilotos e navegadores encontrarão uma dificuldade diferente e específica, então não vai ter dia de moleza”, afirma. “Nem mesmo no último dia de rali, porque será uma especial de 200 quilômetros que poderá mudar tudo se o piloto não tiver cabeça: ela vai dar muito trabalho e será necessário muito cuidado”, ressalta.
    Com 56% do total de quilômetros compostos por trechos cronometrados – 2.043 de 3.607 quilômetros -, o Rally dos Sertões 2018, que desde 1993 desbrava o coração do Brasil, terá trechos inéditos, como na segunda (Formosa – Posse) e a quarta etapa (Luís Eduardo Magalhães – Barra).
  “É uma prova completa, com boa logística para apoio e muitos desafios aos competidores. Uma prova que resume bem a essência do Rally dos Sertões”, conclui Marcos Moraes.

Roteiro do Rally dos Sertões 2018

Domingo (19/08)
1ª Etapa
Goiânia (GO) - Formosa (GO)

Deslocamento Inicial – 250 km
Trecho Especial (Cronometrado) – 300 km
Deslocamento Final – 170 km
Total do dia: 690 km
Segunda (20/08)
2ª Etapa
Formosa (GO) - Posse (GO)

Deslocamento Inicial – 29 km
Trecho Especial (Cronometrado) – 307 km
Deslocamento Final – 50 km
Total do dia: 386 km
Terça (21/08)
3ª Etapa
Posse (GO) - Luís Eduardo Magalhães (BA)

Deslocamento Inicial – 24 km
Trecho Especial (Cronometrado) – 255 km
Deslocamento Final – 71 km
Total do dia: 350 km
Quarta (22/08)
4ª Etapa
Luís Eduardo Magalhães (BA) - Barra (BA)

Deslocamento Inicial – 123km
Trecho Especial (Cronometrado) – 355 km
Deslocamento Final – 0
Total do dia: 478 km
Quinta (23/08)
5ª Etapa
Barra (BA) - São Raimundo Nonato (PI)

Deslocamento Inicial – 0km
Trecho Especial (Cronometrado) – 400 km
Deslocamento Final – 46km
Total do dia: 446 km
Sexta (24/08)
6ª Etapa
São Raimundo Nonato (PI) - Juazeiro do Norte (CE)

Deslocamento Inicial – 39 km
Trecho Especial (Cronometrado) – 226 km
Deslocamento Final – 338 km
Total do dia: 603 km
Sábado (25/08)
7ª Etapa
Juazeiro do Norte (CE) - Fortaleza (CE)

Deslocamento Inicial – 166 km
Trecho Especial (Cronometrado) – 200 km
Deslocamento Final – 288 km
Total do dia: 654 km
Total geral: 3607 km
O Rally dos Sertões é organizado pela Dunas Race e tem patrocínio da Mitsubishi, Honda, Divino Fogão e Cartões Elo. Apoio institucional do Detran de Goiás, dos governos do Estado do Ceará e de Goiás e da prefeitura de Fortaleza.


                  Rally dos Sertões 2018
Vipcomm Assessoria de Imprensa e Conteúdo

Michael Calixto MODÃO & VIOLA

APRESENTAÇÃO NO MULLER PUB


18 CAVALGADA SUL-MATOGROSSENSSE GALERIA DE IMAGENS

GALERIA  DE FOTOS

18º Cavalgada Sul-Matogrossense acontece Três Lagoas-MS



     Com novidades, o evento terá novo trajeto e está marcado para começar às 10h. Diferentemente dos anos anteriores, a saída será na Av. Fillinto Muller, em frente ao Corpo de Bombeiros. As comitivas passarão pela rua Zuleide Perez Tabox, Av. Antonio Trajano e Av. Rosário Congro. A chegada será no pátio da NOB, onde os participantes poderão saborear um delicioso almoço tropeiro.
       A organização da Cavalgada exige que os participantes realizem os exames de Anemia Infecciosa e Mormo nos animais.
       Participação de diversas comitivas
A cavalgada agrega a participação das comitivas de Três Lagoas e região, além dos cavaleiros e amazonas de estados vizinhos, como São Paulo e Minas Gerais.
      Tradicional A Cavalgada Sul-Matogrossense é um evento tradicional, realizada desde 2000, por iniciativa da empresa Selaria Paulista e desde 2015 entrou para o calendário oficial de eventos de Mato Grosso do Sul. Em dezembro de 2007 foi instituída a    Associação SMT Cultural Sertaneja, engrandecendo ainda mais o ritmo das cavalgadas de Três Lagoas e região.
      A Associação tem por objetivo resgatar a tradição sertaneja de Mato Grosso do Sul, mas também trabalha em outros projetos culturais e sociais na cidade

SMT Cultural Sertanejo

Hemodiálise do Auxiliadora é certificado pelo Sistema NefroPlus

foto HNSA


    O setor de hemodiálise do Hospital Auxiliadora recebeu essa semana o certificado do Programa de Educação Continuada, do Sistema NefroPlus, conhecimento patrocinado pela Fresenius Medical Care.
      O curso “Programa de Educação Continuada para Enfermeiros e Técnicos de Enfermagem” do Sistema NefroPlus Conhecimento, modalidade EAD, teve duração de 12 meses com o objetivo de aprimorar conhecimentos no atendimento ao paciente de Terapia Renal Substitutiva, proporcionando um atendimento com maior qualidade a todos os pacientes.
foto HNSA
     O Nefro Plus Conhecimento contempla ações de educação continuada para equipes de nefrologia e pacientes, tanto em modalidades de educação a distância como em eventos presencias

Assessoria HNSA


MAIS VISITADAS DO SITE